Subscribe

RSS Feed (xml)

Powered By

Skin Design:
Free Blogger Skins

Powered by Blogger

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Um poema de Sylvia Beirute - Nervo em Forma de Hélice




















De partida para Itália em trabalho (visitarei três cidades em cinco dias) vou deixar o uma casa em beirute em pousio por algum tempo, talvez até sábado ou domingo. 

Tem sido, devo dizer, um enorme prazer partilhar alguma da minha poesia, e tem-me surpreendido a recepção e tudo o que tem surgido como sua consequência.

Ainda no outro dia um leitor manifestava alguma preocupação quanto ao futuro deste blogue. Serei honesta: é claro que ele não durará para sempre. É claro que ele faz parte de um momento. E, como diria Vinicius de Moraes, que não seja imortal posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure.

Até Breve. 


NERVO EM FORMA DE HÉLICE

eu não quero o que já é meu. repito: eu não quero
o que já é meu. repito com uma variante: eu não
quero o que será meu. ainda outra: eu não quero
o que será meu por destino. e outra: eu não
quero o que é meu em virtude das leis da república.
e outra: eu não quero o que é alcançável
com uma simples febre e um rosto que simula
alguma beleza com veneno respirável.
e outra: não quero um prazer falso como
a claridade entre pálpebras.
e outra: não quero o meu nome próprio e apelido.
e outra: não quero esta cidade sem sombra
e inocência rítmica. {quero viver em beirute,
quero viver em beirute, quero viver em beirute}
e outra: não quero uma imagem parada
ainda que os meus olhos sejam imóveis e
tenham visto tudo.
e outra: não quero os meus vinte e cinco anos.

Sylvia Beirute
inédito

15 comentários:

  1. Pelo facebook cheguei a esta "... casa em beirute". Percorri ainda muito pouco dela; li como se deve ler a poesia, apenas os 2 últimos poemas. Parei no último, li, reli, voltei a ler porque dele muito gostei. Parece-me que uma palavra o define, a palavra renúncia.
    Boa estada em Itália.
    MV

    ResponderEliminar
  2. És um achado.
    Deixa tratar-te por 'tu', porque só tenho menos oito anos que tu, e porque assim me apetece, e porque, muitas vezes, em poesia, oito anos é (muito) pouco.
    És um achado a sério.

    Boas viagens.

    ResponderEliminar
  3. li agora muita coisa aqui ... gostei

    e nada acaba definitivamente

    bj
    teresa

    ResponderEliminar
  4. Ficaremos - todos - certamente à espera do teu regresso. impacientes.
    Beijinho e óptima viagem

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito! Boa viagem até Itália! Bom regresso!

    ResponderEliminar
  6. gostei do poema, ele não só pulsa como também se movimenta, sim... ele se move, se estica, solta, puxa, gira. em cada movimento ele corta sentidos, mas os retoma na hélice do verso seguinte, mas o sangue que o banha já não é o mesmo, a cor já não é a mesma, já não é o mesmo aquilo que nem se quer foi, o sentido retoma mas é outro, pois há o movimento. essa foi minha leitura, mas não posso terminá-la com um ponto mas sim quem sabe com uma vírgula,

    ResponderEliminar
  7. Por vezes de tudo não se quer nada, só se quer nada e por vezes queremos tudo, mas tudo mesmo. E queremos mais geralmente - a insatisfação do "alcançável". Neste poema como se olhássemos um céu em que se movem as nuvens passamos pelas fases de ver o sol ou sentir a sombra. e tudo faz parte de um novo passo, hesitante porque "os olhos já viram tudo" e no amanhã queremos ou quer de novo o sujeito do poema.
    Para além da excelente poesia que aqui deixa
    gostaria de lhe dizer que as fotografias também são óptimas.Boa viagem e volte com mais surpresas.

    ResponderEliminar
  8. Por onde vai pela Itália: vá bem!

    E

    - nao tenho certeza do que gosto, mas sei muito bem o que odeio.

    ResponderEliminar
  9. Não há liberdade maior que a do poeta, Sylvia.

    Uma ótima viagem e muito sucesso.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  10. "Escreve poesia para mudar (seu) o mundo".

    Creio firmemente nisto, Sylvia. A poesia transformando mundos e pessoas.

    Sinto tanta falta dos meus 25 anos... :)

    Beijo!

    ResponderEliminar
  11. Surpreendente...

    Diante de tantas recusas,
    fica a pergunta:
    o que você quer, enfim? : )

    Um beijo,
    doce de lira

    ResponderEliminar
  12. Boa viagem profissional.
    Se me permites dar uma opinião: pensa que o blog como um passa-tempo.

    :)Beijos de boa viagem e proveitosa, disfruta que em Itália só assim se está bem.

    ResponderEliminar
  13. lindo seu blog.
    Gostei daqui, gostei do objetido do seu blog.
    Muito legal mesmo.
    Bjos no coração.
    estarei seguindo.

    ResponderEliminar
  14. Claro! Querer o tido não é querido. O acomodado me repele também.

    Gostei, muito.

    bjs,neusa

    ResponderEliminar