Subscribe

RSS Feed (xml)

Powered By

Skin Design:
Free Blogger Skins

Powered by Blogger

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

BEBIDA - POEMA - SYLVIA BEIRUTE





















BEBIDA

{aos resistentes deste blogue}

bebo onde existe sede.
a mão arrefece com o peso da cabeça.
este silêncio resgata palavras 
para além dos factos magros e esguios.

o meu sangue conhece o amor.
leio Östen Sjöstrand

lia Östen Sjöstrand há cinco minutos atrás.
alguém me chamou e tudo ficou diferente.
não digo que seja apenas este poema.
não é, claramente, apenas este poema.

bebo onde existe sede.

Sylvia Beirute
inédito

11 comentários:

  1. [como um credo

    sedento,
    a palavra derramada.]

    um imenso abraço, Sylvia

    Leonardo B.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. será algo mais, certamente...
    um poema magnífico, parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Buenas, enhorabuena por el blog, me gustaría intercambiar enlaces contigo y que nos sigamos mutuamente.
    Un enorme saludo desde http://orgullobenfiquista.blogspot.com/
    http://bufandasybanderasamps.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Sylvia! Está tudo bem contigo? Sumiu!

    beijo!

    ResponderEliminar
  6. Diferente, arrebatador, com sentido profundo...
    A minha fonte, ainda não secou, e, naqueles momentos tais, é lá que vou beber.
    Beijos de amizade.

    ResponderEliminar
  7. gostei muito do teu blog. tens poesia dentro de ti. ves poesia em tudo o que o teu olhar repousa

    ResponderEliminar
  8. Passei por aqui, por este seu cantinho, e vejo novidades! lindo poema.
    Parabéns.
    Um abraço cá do Algarve.
    http://umraiodeluzefezseluz.blogspot.com

    ResponderEliminar