Subscribe

RSS Feed (xml)

Powered By

Skin Design:
Free Blogger Skins

Powered by Blogger

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Um poema de Sylvia Beirute - Lendo Manoel de Barros


























LENDO MANOEL DE BARROS

             {ao ademar santos, com amizade}


um certo encardido nas reminiscências
entre poemas,
permissão da sua infinitude
absoluta.
nos poemas, reminiscendos ou não,
no seu movimento se situa
o denominador comum dos seus placebos:
todos se deslocam
em busca de alimento.

Sylvia Beirute
inédito

5 comentários:

  1. manoel de barros é o meu favorito manoel.
    assim mesmo, com O... ele, o melhor tradutor do pantanal brasileiro, homem-caramujo...
    sou fã!

    abração do
    roberto.

    ResponderEliminar
  2. manoel de barros é também o meu Poeta.

    ResponderEliminar