Subscribe

RSS Feed (xml)

Powered By

Skin Design:
Free Blogger Skins

Powered by Blogger

sábado, 13 de novembro de 2010

COREIA DO SUL - KIM CHI-HA - POEMA




















Sempre me interessou a tradição dos poetas líricos apesar de a minha poesia só levemente o focar, como explico melhor neste texto sobre o tempo na poesia. No outro dia li uma nota biográfica de Kim Chi-ha, poeta sul-coreano que esteve alguns anos preso por ter sido um opositor ao regime do seu país, e interessou-me o lado lírico do mesmo, com uma leveza e um sentido nostálgico contagiantes. O recorte de jornal que acima coloco é de 11 de Dezembro de 1980. Sinais dos tempos.

NINGUÉM

Daqui
por toda a estrada
ninguém.

Acima de um negro
cintilar, numa ponte
de pedra onde a luz da lua colapsa,
nesta casa estranhamente bela,
com nunvens e respiração,
ninguém.

Escuro,
O místico de um sonho antigo
nos meus limbos torcidos e confusos
pela moeda que gira
à volta da lua
às escuras.

e na estrada fugindo
de mim
morrendo
num cérebro tingido de azul,
ninguém.

Versão de Pedro Calouste
.

1 comentário:

  1. A poesia oriental me fascina, Sylvia. Vou procurar mais do poeta. Abraço.

    ResponderEliminar